O SUS Amanhã

Celebrado no dia 05 de agosto, o Dia Nacional da Saúde homenageia o médico e sanitarista Oswaldo Cruz. A data marca o nascimento do cientista, em 1872. Oswaldo Cruz lançou as bases para as campanhas de vacinação e esteve à frente de seu tempo - sendo por muitas vezes incompreendido - em relação à temática da Saúde Pública. Assim como ele, o projeto Brasil Saúde Amanhã busca enxergar o futuro para sedimentar mudanças efetivas na qualidade do atendimento à população no longo prazo. Este especial ressalta a importância dos estudos prospectivos para que o legado de Oswaldo Cruz seja renovado década a década.

Entrevistas

Prospecção de futuro: uma ação estratégica para a Saúde

Pesquisadores da Fiocruz, do Ipea e do CGEE apresentaram as trajetórias de suas instituições na antecipação de cenários futuros durante o primeiro painel do seminário “Iniciativas em Prospecção Estratégica Governamental no Brasil”, promovido dia 27 de julho de 2016 pela rede Brasil Saúde Amanhã.



Perspectiva territorial e acesso ao sistema de saúde

O Brasil vem experimentando importantes transformações em seus componentes demográficos, que não ocorrem de forma homogênea em todo o país.O enfoque ganhou destaque no segundo painel do seminário “Iniciativas em Prospecção Estratégica Governamental no Brasil”, que contou com a participação de pesquisadores da Fiocruz, do IBGE e do Ipea.



Novos rumos para a Ciência, Tecnologia e Inovação

Para Mariano Laplane, presidente do Centro de Gestão e Estudos Estratégicos, é fundamental difundir a cultura de compartilhamento e a geração coletiva de conhecimentos na comunidade científica.




Uma matriz geográfica para o SUS

“Precisamos de uma matriz geográfica que contribua para aprimorar cada vez mais a atenção à saúde da população brasileira, nos diferentes territórios e realidades do país”. A recomendação é da geógrafa Monica O’Neill, pesquisadora do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e colaboradora da rede Brasil Saúde Amanhã. Nesta entrevista, ela descreve os fluxos migratórios da população brasileira, analisa as suas tendências futuras e aponta os desafios para a efetiva regionalização do Sistema Único de Saúde (SUS) no horizonte dos próximos 20 anos.

Um novo SUS, para uma nova população brasileira

Viabilizar o acesso universal à Saúde e à Educação, em detrimento da lógica neoliberal que vigora atualmente no Brasil. Esta é a principal recomendação de Antônio Tadeu Ribeiro de Oliveira, pesquisador do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e colaborador do projeto Brasil Saúde Amanhã. O demógrafo ressalta nesta entrevista a urgência de políticas públicas para enfrentar as desigualdades sociais e iniquidades em saúde, em nível nacional e regional.

Estudos de futuro e políticas públicas

Antever as tendências de futuro para ter mais clareza sobre as políticas do presente. Para o sanitarista Antonio Ivo de Carvalho, diretor do Centro de Estudos Estratégicos da Fiocruz (CEE), esta é a principal contribuição da rede Brasil Saúde Amanhã. Nesta entrevista, ele explica como a abordagem prospectiva do sistema de saúde pode trazer, em médio e longo prazo, soluções para desafios persistentes, como a distribuição de médicos pelo território nacional.

Publicações da rede Brasil Saúde Amanhã

TD 01: Dinâmica demográfica e distribuição espacial da população - O acesso aos serviços de Saúde
(Antônio Tadeu Ribeiro de Oliveira, Maria Monica Vieira Caetano O’Neill)


TD 02: Segmentos institucionais de gestão em Saúde: Descrição, tendências e cenários prospectivos
(Ana Luiza d’Ávila Viana, Alcides Silva de Miranda, Hudson Pacifico da Silva)


TD 04: Complexo Econômico-Industrial de Saúde, Segurança e Autonomia Estratégica
(Raphael Padula, Gustavo Souto de Noronha, Thiago Leone Mitidieri)


TD 14: Políticas sociais brasileiras nas próximas décadas
(Ana Luiza d’Ávila Viana, Hudson Pacifico da Silva)


TD 15: Condicionantes das regionalização da saúde no Brasil
(Luciana Dias de Lima)



TD 17: Cenário epidemiológico do Brasil em 2033
(Jarbas Barbosa da Silva Jr., Walter Massa Ramalho)


Instituições de referência


Centro de Estudos Estratégicos da Fiocruz




Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)




Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE)



TOP