População Amanhã


Duzentos e vinte e sete milhões de brasileiros: 115,5 milhões de mulheres, 111,5 milhões de homens, 37 milhões de idosos. As projeções do Instituto Brasileirio de Geografia e Estatística (IBGE) para 2037 traçam um cenário preocupante para o sistema de saúde: uma população que cresce e, ao mesmo tempo em que envelhece, demanda serviços e cuidados cada vez mais complexos, em todas as faixas etárias. Responder a este desafio requer um planejamento de longo prazo, com enfoque territorial que considere as especificidades das diferentes regiões. Neste especial, a rede Brasil Saúde Amanhã reúne resultados de estudos, Textos para Discussão, entrevistas e outras referências que lançam luz sobre a temática.






Planejamento Regional em Saúde

Prever demandas para planejar o futuro

Como organizar a distribuição, pelo território brasileiro, de equipamentos e procedimentos oferecidos pelo SUS, considerando as tendências futuras na dinâmica de distribuição espacial da população? As complexidades que envolvem a questão estiveram em pauta na Fiocruz, dia 20 de fevereiro, durante a reunião de difusão do projeto Brasil Saúde Amanhã, intitulada “Elementos para o Planejamento Regional em Saúde”, que apresentou o estudo “População e Saúde: distribuição espacial da população e os serviços de saúde”.

Vídeo: distribuição espacial da população e os serviços de saúde


Os pesquisadores Ana Luiza Viana, da USP, Maurício Gonçalves e Silva, do IBGE, e Luciana Dias de Lima, da Ensp/Fiocruz, comentam os resultados do estudo “População e Saúde: distribuição espacial da população e os serviços de saúde”, desenvolvido pela rede Brasil Saúde Amanhã.

Entrevistas

Um novo SUS, para uma nova população brasileira

Viabilizar o acesso universal à Saúde e à Educação, em detrimento da lógica neoliberal que vigora atualmente no Brasil. Esta é a principal recomendação de Antônio Tadeu Ribeiro de Oliveira, pesquisador do IBGE e colaborador da rede Brasil Saúde Amanhã. O demógrafo ressalta nesta entrevista a urgência de políticas públicas para enfrentar as desigualdades sociais e iniquidades em saúde, em nível nacional e regional.





Uma matriz geográfica para o SUS

“Precisamos de uma matriz geográfica que contribua para aprimorar cada vez mais a atenção à saúde da população brasileira, nos diferentes territórios e realidades do país”. A avaliação é da geógrafa Monica O’Neill, pesquisadora do IBGE e colaboradora da rede Brasil Saúde Amanhã. Nesta entrevista, ela descreve os fluxos migratórios da população brasileira, analisa as suas tendências futuras e aponta os desafios para a regionalização do SUS no horizonte dos próximos 20 anos.





Textos para Discussão

TD 01 - Dinâmica demográfica e distribuição espacial da população - O acesso aos serviços de Saúde

Antônio Tadeu Ribeiro de Oliveira
Maria Monica Vieira Caetano O’Neill


TD 14 - Políticas sociais brasileiras nas próximas décadas

Ana Luiza d’Ávila Viana
Hudson Pacifico da Silva


TD 15 - Condicionantes das regionalização da saúde no Brasil

Luciana Dias de Lima



TD 17 - Cenário epidemiológico do Brasil em 2033

Jarbas Barbosa da Silva Jr. Walter Massa Ramalho



TD 18 - Os recursos físicos de saúde no Brasil: um olhar para o futuro

Isabela Soares Santos
Juliana Pires Machado
Luisa Regina Pessôa
Ana Cristina Marques Martins
Claudia Risso de Araujo Lima



Relatórios de Pesquisa

RP 01 - Relatório de pesquisa sobre os recursos físicos de Saúde no Brasil – 2014.

Ana Cristina Marques Martins
Claudia Risso de Araújo Lima
Isabela Soares Santos (coord.)
Juliana Pires Machado
Luisa Regina Pessôa

RP 02 - Relatório de Pesquisa sobre internações na esfera municipal

Francisco Viacava
Diego Ricardo Xavier
Jaime Gregório Bellido
Vanderlei Pascoal de Matos
Mônica de Avelar Figueiredo Mafra Magalhães
Wisley Velasco


RP 04 - Definição de áreas de abrangência e denominador populacional para polos de atendimento municipal segundo fluxo de pacientes

Mônica de Avelar Figueiredo Mafra Magalhães
Diego Ricardo Xavier
Vanderlei Matos



Documentos de Referência

Política Nacional de Atenção Integral
à Saúde da Mulher





Política Nacional de Atenção Integral
à Saúde do Homem





Política Nacional de Saúde Integral
da População Negra






Política Nacional de Saúde
da Pessoa com Deficiência





Política Nacional de Saúde do Trabalhador
e da Trabalhadora




Política Nacional de Atenção à Saúde
dos Povos Indígenas






Política Nacional de Saúde Integral das Populações do Campo e da Floresta




Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (LGBT)



TOP