Impactos do mal-estar social sobre a Saúde

terça-feira, 02, maio , 2017 por

“O que acontecerá às novas gerações? O que lhes acontecerá, se mantidos os padrões atuais de iniquidade, privação, asfixia dos direitos sociais e políticos, violência, guerras, concentração extrema da riqueza?”. A reflexão é proposta pelo pesquisador Pedro Gabriel Delgado, do Instituto de Psiquiatria da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Nesta entrevista, ele explora a zona de fronteira entre o mal-estar contemporâneo e os transtornos mentais e aponta a Atenção Psicossocial como alternativa à medicalização. “Temos que defender o SUS e o retorno da democracia. Não vislumbro um cenário de atenção a 11 milhões de pessoas, como aponta a OMS para o Brasil em relação à depressão, sem um sistema de saúde público, universal, intersetorial, que desenvolva políticas ativas de garantia do acesso”, defende.

A fronteira do sofrimento humano

segunda-feira, 17, abril , 2017 por

Tema do Dia Mundial da Saúde, comemorado em 7 de abril, a depressão vem chamando atenção da Organização Mundial da Saúde (OMS) e de sistemas de saúde em todo o mundo: mais de 300 milhões de pessoas convivem, hoje, com o transtorno, 11 milhões somente no Brasil. Um desafio novo para a Saúde Pública, que encontra eco no modelo de desenvolvimento e no estilo de vida da sociedade contemporânea. Nesta entrevista, o psiquiatra Jurandir Freire Costa, pesquisador emérito do Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IMS/UERJ), comenta a explosão de casos de depressão no Brasil e no mundo e propõe um olhar mais abrangente sobre a doença, que vai além da medicalização patrocinada pela indústria farmacêutica. “Daqui a vinte anos, talvez, possamos vir a compreender a depressão psiquiátrica para além da indústria farmacêutica. E, então, vir a pesquisar, com o respeito que exige essa enigmática forma do sofrimento humano, o que é a depressão”, afirma Jurandir.

Intersetorialidade para promover a saúde do idoso

segunda-feira, 31, outubro , 2016 por

“O envelhecimento saudável começa no pré-natal”. É assim que a psicóloga Angela Castilho, do Centro de Saúde Escola Germano Sinval Faria, da Ensp/Fiocruz, chama atenção para a importância da integralidade na atenção à saúde do idoso. Dia 25 de outubro, Angela participou do seminário “Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa: desafios da implementação”, promovido pelo Icict/Fiocruz. Na ocasião, apresentou a palestra “Capacitação da Atenção Básica e da Gestão: superando desafios na área do envelhecimento”. Nesta entrevista, ela aponta os desafios para a atenção integral à saúde do idoso no horizonte dos próximos 20 anos e alerta: “Se o modelo hospitalocêntrico, centrado na doença, persistir, o SUS não terá condições de garantir a atenção à saúde do idoso com universalidade, equidade e integralidade”.

“O desafio que enfrentamos hoje está menos relacionado à proporção de idosos que teremos em 2030 e mais com a definição do modelo de sociedade e de sistema de saúde que queremos”. Esta é uma das questões levantadas, nesta entrevista, pela socióloga Dalia Romero, pesquisadora do Laboratório de Informação em Saúde do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict/Fiocruz), onde lidera o grupo Informação e Pesquisa em Envelhecimento e Saúde do Idoso. Compreendendo o envelhecimento da população como um fator de sucesso, a especialista ressalta a importância dos estudos prospectivos de futuro: “É fundamental comparar modelos de sociedade para que possamos decidir coletivamente, por meio de um pacto social, qual caminho vamos todos seguir”.

Uma mudança estrutural para a Saúde

segunda-feira, 10, outubro , 2016 por

“É preciso reorganizar o sistema de saúde para que seja possível ofertar atenção integral aos idosos”. A recomendação é do médico Renato Peixoto Veras, diretor da Universidade Aberta da Terceira Idade, da UERJ. Nesta entrevista, o médico discute o futuro do sistema de saúde em um cenário em que 26,7% da população brasileira terá mais de 65 anos, conforme previsto para 2060 pelo IBGE. Para Veras, é fundamental que o SUS reveja seu modelo de atenção, o financiamento setorial e a formação de recursos humanos, para que seja possível atender as necessidades presentes e futuras de uma população em processo de envelhecimento. “Diante da certeza de que doenças crônicas vão prevalecer entre os idosos, devemos trabalhar no sentido da prevenção desses agravos e da promoção da saúde e do autocuidado”, orienta.

Página 1 de 2
TOP