O Programa de Pós-Graduação em Informação e Comunicação em Saúde (PPGICS), em 02 de maio, o pesquisador Jairnilson Silva Paim, do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia (ISC/UFBA), para a palestra “Desafios do Sistema de Saúde Brasileiro”. O convidado abordou os desafios do SUS a partir de uma perspectiva histórica sobre a complexidade das relações políticas vigentes no país e fez uma profunda observação sobre os diferentes projetos de saúde pública que se encontram em disputa por diversos grupos sociais e políticos.

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que as epidemias matam 15 milhões de pessoas por ano no mundo. E nos últimos 60 anos, 300 novas epidemias foram registradas. Essa é uma das áreas de estudo em andamento do professor Tiago Pereira, da USP, que é coorientador de doutorado do matemático alemão Stefan Ruschel, da Universidade de Humboldt, em Berlim. Stefan atua na área de sistemas dinâmicos com atraso temporal e sua tese trata das possíveis formas de controle de uma epidemia, desde que causada por doenças contagiosas.

A leptospirose permanece um desafio para a saúde pública, com 315 óbitos no país em 2015 e uma estimativa de 60 mil mortes por ano no mundo. A experiência brasileira sobre a doença foi reconhecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em 2008, quando o Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) foi designado como Centro Colaborador para Leptospirose. O título acaba de ser renovado, quando o IOC está prestes a completar 116 anos.

Pesquisadores do Centro de Estudos sobre Tabaco e Saúde (Cetab/ENSP) e de outras instituições e profissionais da área estiveram reunidos, por dois dias, para o lançamento do Observatório sobre as Estratégias da Indústria do Tabaco e Workshop sobre o artigo 5.3 da Convenção Quadro para o Controle do Tabaco da Organização Mundial da Saúde (CQCT/OMS). Na ocasião, foi lançada a primeira plataforma digital, criada por uma instituição pública da área de saúde que objetiva demonstrar a interferência da indústria do fumo nas políticas públicas de controle do tabaco.

O fortalecimento e a ampliação da oferta de plantas medicinais e de fitoterápicos no Sistema Único de Saúde (SUS) é o objetivo de doze projetos selecionados por meio de edital que estão recebendo, do Ministério da Saúde, R$ 3,4 milhões. O recurso será aplicado na compra de insumos, materiais de consumo, contratação de pessoal e capacitação de profissionais. Outros R$ 594 mil serão distribuídos entre os projetos selecionados e poderão ser utilizados na compra de mobiliário e equipamentos.

O papel do SUS no combate à epidemia de zika

segunda-feira, 04, abril , 2016 por

Sempre que o mundo se depara com uma epidemia, a narrativa predominante gira em torno dos problemas e dificuldades gerados à população. No entanto, o Brasil, apesar das dificuldades econômicas e políticas recentes, assumiu um protagonismo no enfrentamento ao mosquito Aedes aegypti, transmissor do vírus da zika. Para tratar do tema, Região e Redes ouviu o presidente da Fiocruz, Paulo Gadelha. “Essa experiência com a epidemia zika é fruto de um trabalho coordenado, mas precisamos olhar para a frente porque esse não será o nosso último caso de epidemia”.

Fome, Epidemia e Mobilização Social. A partir deste mote, a Fiocruz promoveu na última segunda-feira, 04 de abril, intenso debate sobre o enfrentamento da pobreza e dos determinantes sociais da saúde, à luz da memória do sociólogo Herbert de Souza, o Betinho, ícone da militância pelo combate à fome pela garantia dos direitos universais. Realizado em comemoração pelos 30 anos do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict) e da Casa de Oswaldo Cruz (COC), o evento reuniu especialistas em Saúde, Educação, História, Comunicação e Economia, além do filho de Betinho, Daniel Souza.

Entender como uma vacina estimula a imunidade contra a dengue pode ser um passo importante para desenvolver formulações com maior eficácia de proteção contra a doença. Em um artigo publicado na revista científica Plos Neglected Tropical Diseases, pesquisadores mostram que uma vacina desenvolvida no Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) induz dois mecanismos diferentes de imunidade em modelos animais.

As cidades, o mosquito e as reformas

segunda-feira, 21, março , 2016 por

Em entrevista ao portal Regiões e Redes, a professora livre docente da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (USP), Ermínia Maricato debate a reforma urbana, com foco no enfrentamento à séria crise de saúde pública causada pela infestação do mosquito Aedes aegypti, transmissor do zika e do chikungunya, além dos vírus causadores da dengue e da febre amarela.

O Brasil vai liderar dois estudos inéditos de Profilaxia Pré-Exposição (PrEP) em 2016. A ideia é avaliar o uso de um medicamento preventivo contra o HIV por adolescentes em três países e adul-tos da América Latina em dois estudos de larga escala. O estudo em adultos envolve o Brasil, a Argentina e o Peru e terá duração de três anos e meio; e o segundo, voltado a jovens sexualmente ativos de entre 16 e 19 anos de idade, será realizado no Brasil, na África do Sul e na Tailândia, ao longo de cinco anos.

Página 7 de 14
TOP