Desenvolvimento Sustentável Amanhã


“Assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todos, em todas as idades”. “Assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todos”. “Promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego pleno e produtivo e trabalho decente para todos”. “Tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis”. “Reduzir a desigualdade dentro dos países e entre eles”. São desafiadores os objetivos que compõem a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, promovida pela Organização das Nações Unidas (ONU). Para discutir o papel do Brasil e do setor Saúde no cumprimento deste compromisso global e avaliar as perspectivas nacionais e setoriais até 2030, a rede Brasil Saúde Amanhã promoveu, em setembro, o seminário “Saúde, Ambiente e Desenvolvimento Sustentável”. Este especial reúne registros do evento, entrevistas e sugestões de leitura sobre o tema.




Seminário Saúde, Ambiente e Desenvolvimento Sustentável

Agenda 2030 e o olhar estratégico para o futuro

O Brasil caminha a passos lentos para o cumprimento da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. Ainda assim, o compromisso global representa oportunidade ímpar para discutir – e defender – a universalidade e a equidade de políticas sociais, dentre elas, o SUS. Essas são algumas das conclusões do seminário “Saúde, Ambiente e Desenvolvimento Sustentável”, que reuniu pesquisadores da UFRJ, do INCRA e de diversas unidades e áreas estratégicas da Fiocruz, dentre eles três ex-presidentes da Fundação, em torno de quatro painéis temáticos: Desenvolvimento e Sustentabilidade; Saúde, Ambiente e Sustentabilidade; Desenvolvimento, Saúde e Proteção Social; e Perspectivas e Desafios da Agenda 2030. Confira a cobertura completa, assista aos vídeos e baixe as apresentações dos palestrantes.


Desenvolvimento sustentável: global e local, urbano e rural

Emprego pleno e trabalho decente para todos, como reflexo de um modelo de industrialização inclusivo e sustentável. Essas são apenas algumas das metas propostas pelos ODS, da ONU, para 2030. Elas foram abordadas durante o painel “Desenvolvimento e Sustentabilidade”, do seminário “Saúde, Ambiente e Desenvolvimento Sustentável”, promovido em setembro pela rede Brasil Saúde Amanhã, na Fiocruz. As metas da ONU completaram dois anos dia 25 de setembro, lançando sobre o mundo o desafio de integrar os três pilares do desenvolvimento: social, econômico e ambiental.


Agenda 2030: desafios da água, do saneamento e do direito à cidade

Até 2030, o planeta Terra enfrentará um déficit de 40% no abastecimento de água. A previsão da ONU alerta para a dimensão dos desafios a serem enfrentados pelos 193 países signatários da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, que propõe como uma de suas metas o acesso universal e equitativo a água potável e segura para todos. O Brasil não escapa desta realidade e, de acordo com pesquisa da CNI, só universalizará o acesso à água potável em 2043 – o que coloca o país bem longe do ODS 6: “assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todas e todos”. O tema esteve em debate durante o seminário “Saúde, Ambiente e Desenvolvimento Sustentável”, promovido pela rede Brasil Saúde Amanhã, em setembro, na Fiocruz.


Proteção Social e Saúde: desafios para um crescimento sustentável

Tema de discussões na rede Brasil Saúde Amanhã desde o lançamento da iniciativa, em 2010, as questões que orbitam a proteção social em Saúde também estão refletidas na Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, da ONU, em seus 17 ODS. Os desafios desse campo estiveram em pauta no painel “Desenvolvimento, Saúde e Proteção Social”, o terceiro do seminário “Saúde, Ambiente e Desenvolvimento Sustentável”, realizado na Fiocruz nos dias 11 e 12 de setembro.




Vídeos



Paulo Gadelha: Fiocruz e a Agenda 2030

O ex-presidente da Fundação, Paulo Gadelha, destaca as contribuições do seminário “Saúde, Ambiente e Desenvolvimento Sustentável” para pensar a visão estratégica da Fiocruz a partir dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável



Nísia Trindade Lima: Saúde, Ambiente e Desenvolvimento Sustentável

Nísia Trindade Lima comenta o seminário “Saúde, Ambiente e Desenvolvimento Sustentável” e convoca participantes do 8º Congresso Interno da Fiocruz a visitarem o portal Saúde Amanhã



Carlos Gadelha: Desenvolvimento e Sustentabilidade

O economista Carlos Gadelha, coordenador das Ações de Prospecção da Fiocruz, comenta o seminário "Saúde, Ambiente e Desenvolvimento Sustentável", promovido em setembro pela rede Brasil Saúde Amanhã, na Fiocruz



Entrevistas

Agenda 2030: a Saúde e o Desenvolvimento Sustentável

"A equidade é o mote da Agenda 2030. O lema 'Ninguém deixado para trás' é uma tradução clara do que é a equidade. Não basta pensar em políticas gerais, em indicadores de médias; é preciso pensar naqueles que de fato estão em condições mais vulneráveis". A afirmação é do sanitarista Paulo Gadelha, ex-presidente da Fiocruz. Nesta entrevista, Gadelha apresenta a Estratégia Fiocruz para a Agenda 2030 e discute os desafios atuais e futuros para a conquista dos ODS. "A Estratégia Fiocruz para a Agenda 2030 é um dos eixos centrais para as atividades de prospecção de futuro da Fiocruz, a exemplo da iniciativa Brasil Saúde Amanhã, que com seu horizonte móvel de 20 anos nos coloca além de 2030", afirma.


“Sem o SUS, não há desenvolvimento sustentável”

O papel do setor Saúde no desenvolvimento do país e os desafios colocados para o Brasil pela Agenda 2030 das Nações Unidas estiveram em pauta na Fiocruz, em setembro, durante o seminário “Saúde, Ambiente e Desenvolvimento Sustentável”. Nesta entrevista, o economista Carlos Gadelha, coordenador das Ações de Prospecção da Fiocruz, analisa o contexto global e nacional e afirma: “O SUS e o CEIS são as pré-condições – ou as únicas oportunidades – para que o Brasil atinja os ODS até 2030. Eles não são problemas para o país. São parte indispensável da solução. Sem o SUS, não há desenvolvimento sustentável”.




TOP