Políticas agroambientais na América Latina

por / terça-feira, 20 junho 2017 / Categoria Desenv. e Saúde, Notícias, Todos

Em evento sobre políticas agroambientais na América Latina e Caribe, o representante da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) no Brasil, Alan Bojanic, enfatizou na terça-feira (13) que a produção de alimentos no futuro depende de modelos sustentáveis de crescimento econômico. Encontro reuniu mais de 70 especialistas em Brasília para debater como o uso de estatísticas pode acelerar a implementação de recomendações da agência da ONU sobre o tema.

“Para 2030, vamos ter que produzir muito mais para alimentar a população, e isso terá um grande impacto ambiental. Produzir de maneira sustentável é um grande desafio para todos nós”, avaliou Bojanic.

Também presente, a coordenadora-geral de Cooperação Sul-Sul Trilateral com Organismos Internacionais, da Agência Brasileira de Cooperação (ABC), Cecília Malagutti, defendeu que aprimorar dados sobre as relações entre agricultura e meio ambiente é um dos caminhos para a sustentabilidade. “A implementação de indicadores agroambientais irá permitir que se desenvolvam e se consolidem as políticas sobre este tema na nossa região”, disse.

O evento em Brasília é parte das atividades de um projeto executado pela FAO e pelo Ministério do Meio Ambiente do Brasil na América Latina e no Caribe. Iniciativa tem o apoio da ABC. Programa visa fortalecer as políticas agroambientais na região.

As discussões do encontro abordaram como usar estatísticas para monitorar o cumprimento das Diretrizes Voluntárias da agência da ONU para Políticas Agroambientais. Recomendações foram publicadas neste ano. Acesse o documento clicando aqui. Atualmente, indicadores já estão sendo identificados no Brasil e em outros países, como Cuba, Costa Rica, Colômbia, México, Panamá e Paraguai.

Segundo Denise Kronemberger, gerente de projetos da Coordenação de Recursos Naturais e Recursos Ambientais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), é importante que haja uma articulação cada vez maior entre as agendas que tratam de temas ambientais, como os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), as Metas de Aichi e o Marco Sendai.

“Os ODS têm indicadores ambientais espalhados por todos os Objetivos”, explicou a especialista.

 

Fonte: ONU

TOP