A defesa do SUS é a defesa da liberdade

segunda-feira, 16, outubro , 2017 por

Assim como nos oceanos que cercam as ilhas, nadar nas águas revoltas da conjuntura exige bússolas teóricas e lemes éticos que orientem a travessia em meio às tempestades. Na conferência de abertura do X Congresso Brasileiro de Epidemiologia, celebrada na noite de 08 de outubro na Ilha de Florianópolis, (SC), Jairnilson Paim, professor titular do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia (ISC/UFBA), ofereceu algumas delas para uma melhor compreensão dos interesses e ações que orientaram o Estado brasileiro nas políticas de saúde de 2007 ao atual momento, galvanizando ao final a força de uma imensa plateia pela defesa de um SUS forte, fruto da construção histórica e cotidiana da Reforma Sanitária brasileira.

Erradicar a raiva até 2030

segunda-feira, 02, outubro , 2017 por

A maior iniciativa mundial de prevenção da raiva foi anunciada nesta sexta-feira (29), Dia Mundial de Combate à Raiva. A iniciativa pretende acabar com as mortes humanas causadas por raiva transmitida por cães até 2030 e colocá-la na lista de doenças prioritárias para organizações internacionais e governos, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). “O plano garante o apoio aos países no desenvolvimento de planos nacionais e fornece ferramentas inovadoras de treinamento e educação em redes regionais de combate à raiva”, disse Bernadette Abela-Ridder em comunicado à imprensa, em nome da parceria ‘Unidos Contra a Raiva’.






A Região das Américas eliminou o tétano materno e neonatal (TMN), doença que era responsável pela morte de mais de 10.000 recém-nascidos por ano nas Américas. A eliminação da doença foi declarada este ano no Haiti, o que tornou possível alcançar o objetivo regional. O TMN é a sexta doença evitável por vacinação a ser eliminada das Américas, após a erradicação regional da varíola em 1971, da poliomielite em 1994, da rubéola e da síndrome da rubéola congênita em 2015 e do sarampo em 2016.






Zika em questão

segunda-feira, 04, setembro , 2017 por

Diante da emergência do vírus zika nos últimos anos, diversos processos no campo da saúde e das ciências foram implementados visando oferecer uma resposta mais efetiva da sociedade em relação à doença. Nesse sentido, o Centro de Estudos do Icict promove seminário sobre alguns dos desafios da comunicação e da informação em saúde relativos à arbovirose. O seminário “Desafios da informação e comunicação em saúde: O vírus zika em questão” será realizado em 05 de setembro, a partir das 9h, no Salão de Leitura da Biblioteca de Manguinhos, e conta com o apoio do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos da Fiocruz, Bio-Manguinhos. A proposta surgiu a partir do projeto de pesquisa intitulado Tecnologias comunicativas – o Zika Vírus em questão, realizado no âmbito do Icict.






Cúpula de Soluções

segunda-feira, 21, agosto , 2017 por

Durante o encontro anual da Assembleia Geral da ONU, que acontece entre os dias 18 e 28 de setembro, um evento paralelo ao debate dos chefes de Estado ocupará as galerias da sede das Nações Unidas — a Cúpula de Soluções. A iniciativa selecionará pessoas de diferentes partes do mundo, que poderão apresentar suas estratégias para o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Brasileiros podem participar.






Saúde materno-infantil na América Latina

segunda-feira, 14, agosto , 2017 por

Todos os anos, estima-se que 2,1 mil crianças na América Latina e no Caribe nasçam com HIV ou o contraiam de suas mães; 22,4 mil estejam infectadas com sífilis; cerca de 9 mil nasçam com doença de Chagas; e 6 mil contraiam o vírus da hepatite B. Se não forem detectadas e tratadas a tempo, essas infecções podem causar abortos espontâneos, malformações congênitas, problemas neurológicos e cardíacos, cirrose, câncer de fígado e, em alguns casos, até a morte.






Censo 2020

segunda-feira, 07, agosto , 2017 por

De olho na divulgação do Censo Demográfico 2020, o IBGE está propondo uma nova tipologia para a caracterização dos espaços urbanos e rurais. Por essa metodologia, a população urbana do Brasil passa de 84,4% para 76%. Densidade demográfica, localização em relação aos principais centros urbanos e tamanho da população são os critérios fundamentais da metodologia, que ainda está em debate. Assim, a partir do cruzamento dessas variáveis, os municípios se classificariam em cinco tipos: urbano, intermediário adjacente, intermediário remoto, rural adjacente e rural remoto.






Tecnologia a favor dos objetivos globais

segunda-feira, 24, julho , 2017 por

ONU: Tecnologias da Informação e da Comunicação podem ajudar países a alcançar os 17 ODS.






Reforma da Previdência

segunda-feira, 03, julho , 2017 por

Pesquisadores criticam projeções populacionais e financeiras






Estudo da Opas indica que 1 em cada 6 idosos sofre alguma forma de abuso.






Página 1 de 13
TOP