Nos últimos anos novas doenças do homem branco começam a se fazer presentes dentro das terras indígenas. São problemas causados pela adoção de um estilo de vida mais urbano, semelhante ao das grandes cidades. O antropólogo Laércio Dias, da Unesp de Marília, estuda como essas alterações afetam a saúde de grupos que vivem na região do rio Uaçá, no norte do Amapá, e já constatou um índice maior de obesidade, hipertensão, diabetes e abuso de álcool entre eles. Confira a reportagem.

Lei Antifumo entra em vigor no Brasil

segunda-feira, 08, dezembro , 2014 por

Entrou em vigor no dia 3 de dezembro a Lei Antifumo que proíbe, entre outras coisas, fumar em locais fechados, públicos e privados, de todo o país. Para especialistas, a medida é um avanço no combate ao hábito de fumar. Pouco mais de 11% da população brasileira são fumantes e dados do Instituto Nacional do Câncer mostram que cerca de 90% dos casos de câncer de pulmão, o mais comum de todos os tumores malignos, estão relacionados ao tabagismo. A instituição estima que em 2012 foram diagnosticados mais de 27 mil novos casos da doença






A obesidade custa ao Brasil 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), segundo um estudo internacional conduzido pelo McKinsey Global Institute, que mostra o aumento dos gastos no combate ao problema no mundo. O custo equivaleria a R$ 110 bilhões, considerando o PIB – a soma de todas as riquezas produzidas em um país – brasileiro em 2013 (R$ 4,8 trilhões). Confira a reportagem e o estudo completo.






Inédito no Simpósio, os movimentos sociais tiveram participação importante nas discussões com pesquisadores no eixo que discutiu o desenvolvimento e os conflitos territoriais, a luta pela saúde e ambiente nos territórios Pesquisadores e movimentos sociais estiveram reunidos na tarde do primeiro dia de programação do 2º Simpósio Brasileiro de Saúde e Ambiente da Abrasco, em

Retratar a situação de saúde e das doenças transmissíveis relacionadas à pobreza dos brasileiros. Este é o objetivo da 10ª edição do livro Saúde Brasil 2013, lançada pelo secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Jarbas Barbosa, em 29/10, durante a abertura da 14ª Expoepi. A nova edição do ‘Saúde Brasil’ traz uma análise sobre a situação de saúde dos brasileiros. A cada ano o livro aborda uma temática específica. Este ano, a maior parte dos capítulos estão associados à questão da saúde e a pobreza no Brasil.






Não é uma falácia quando se afirma que os conflitos ambientais e sociais no campo, nas florestas e cidades provocam impactos na vida das populações. Como afirmou Cristiane Faustino, durante o 2º Simpósio Brasileiro de Saúde e Ambiente da Abrasco, em Belo Horizonte, os projetos econômicos demandam da terra, dos territórios, da água, dos recursos da natureza, e esse movimento do que chamam de “desenvolvimento” acaba criando um consenso social sobre essa necessidade.






Um estudo do Ministério da Saúde revela que a frequência de adultos que dirigem após o consumo abusivo de álcool foi reduzida em 45% em sete anos. O índice passou de 2% em 2007, para 1,1% em 2013. A redução mostra uma mudança significativa nos hábitos da população após a aprovação das duas edições da lei seca (2008-2012), tornando mais rígida a proibição do consumo de álcool associado à direção. De acordo com o estudo, houve uma queda de 47% no consumo de bebidas alcóolicas associado à direção entre os homens.






Começa Consulta Pública para normas sobre parto

segunda-feira, 20, outubro , 2014 por

Já estão disponíveis para análise as duas propostas de normativos colocadas em consulta pública pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) sobre parto. Ambas visam à redução de cesarianas desnecessárias entre consumidoras de planos de saúde. O envio das contribuições ocorrerá de 24 de outubro a 23 de novembro e deverá ser feito exclusivamente em formulário disponível no portal da ANS






Conferência da ONU debate desigualdade

segunda-feira, 13, outubro , 2014 por

A conferência “Desigualdade: mensuração, tendências, impactos e políticas”, realizada em setembro na Finlândia, discutiu os mais recentes avanços na mensuração da desigualdade de renda, riqueza e do desenvolvimento humano. Foi discutido o impacto da desigualdade no desenvolvimento, assim como o impacto do desenvolvimento sobre a desigualdade, buscando extrair implicações para políticas de redução da desigualdade e pobreza, como sistemas de proteção social e tributários eficientes e equitativos que busquem a redistribuição.






Brasil reduz a pobreza extrema em 75%, diz FAO

segunda-feira, 29, setembro , 2014 por

O Mapa da Fome 2013, apresentado em setembro, em Roma, pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) mostra que o Brasil conseguiu reduzir a pobreza extrema – classificada com o número de pessoas que vivem com menos de US$ 1 ao dia – em 75% entre 2001 e 2012. No mesmo período, a pobreza foi reduzida em 65%. Apresentado como um dos casos mundiais de sucesso na redução da fome, o Brasil, no entanto, ainda tem mais de 16 milhões de pessoas vivendo na pobreza: 8,4% da população brasileira vive com menos de US$ 2 por dia.






Página 10 de 11
TOP