Prever demandas para planejar o futuro

segunda-feira, 06, março , 2017 por

Como organizar a distribuição de equipamentos e procedimentos oferecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) pelo território brasileiro, considerando as tendências futuras na dinâmica de distribuição espacial da população? As complexidades que envolvem a questão estiveram em pauta na Fiocruz, diaa 20 de fevereiro, durante a reunião de difusão do projeto Brasil Saúde Amanhã, intitulada “Elementos para o Planejamento Regional em Saúde”.

Revista Radis aborda envelhecimento populacional e apresenta as lacunas para o atendimento de demandas futuras da população.






Como organizar a distribuição de equipamentos e procedimentos oferecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) pelo território brasileiro, considerando as tendências futuras na dinâmica de distribuição espacial da população? As complexidades que envolvem a questão estão em pauta na próxima segunda-feira, dia 20 de fevereiro, durante a reunião de difusão do projeto Brasil Saúde Amanhã, intitulada “Elementos para o Planejamento Regional em Saúde”. O evento será realizado no Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict/Fiocruz), de 10h as 13h30, com transmissão on-line.






“Quando ingressei aqui como pesquisadora, eu participei da construção de um projeto institucional democrático, tendo uma visão da Saúde como parte de um processo de desenvolvimento econômico e social da conquista da cidadania. Nos últimos anos, a instituição cresceu, diversificou-se e ampliou seu papel na indução e implantação de políticas nos campos social e científico. Represento um projeto que reconhece o legado das gestões anteriores e reafirmo o valor da Fiocruz como instituição estratégica do Estado. Identifico-me com a perspectiva de seus fundadores, de articular o desenvolvimento científico e tecnológico com as necessidades do país”, afirmou Nísia Trindade Lima, na transmissão de posse do cargo de presidente da Fiocruz, dia 10 de fevereiro.






Saúde global: livro busca despertar vocações

segunda-feira, 06, fevereiro , 2017 por

Pautada por valores como ética, justiça e solidariedade, a saúde global é um campo de estudos que não só tem atraído cada vez mais atenção de instituições, como ainda tem um grande potencial de crescimento. Despertar interesse e vocações de estudantes e pesquisadores para este fascinante campo é um dos objetivos do livro Saúde Global: olhares do presente, novo volume da coleção Temas em Saúde. De maneira compacta e de fácil comunicação, a autora Helena Ribeiro, professora da Faculdade de Saúde Pública da USP, traz as bases formadoras da saúde global, seus conceitos, definições e algumas linhas de pesquisa de maior realce na atualidade.






A Fundação Oswaldo Cruz tem uma nova presidente. Doutora em Sociologia e servidora da Fiocruz desde 1987, a pesquisadora, professora e gestora Nísia Trindade Lima será a primeira mulher a comandar a Fundação, em 116 anos de história. O decreto presidencial com a sua nomeação foi publicado dia 04 de janeiro de 2017 no Diário Oficial da União (DOU).






“Prospectar o futuro é ter um programa de ação. É criar elementos para articulação e indução de políticas econômicas e sociais, no interesse do desenvolvimeto, com equidade, fomentando o acesso e a inclusão”, define o coordenador executivo da rede Brasil Saúde Amanhã, José Carvalho de Noronha, pesquisador do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict/Fiocruz). Resultados da iniciativa, que desde 2010 vem investigando os cenários futuros do sistema de saúde brasileiro, estão no livro “Brasil Saúde Amanhã: População, Economia e Gestão”, lançado pela Editora Fiocruz dia 15 de dezembro.






As perspectivas de crescimento e desenvolvimento econômico no Brasil nos próximos vinte anos estarão em debate na Fiocruz na próxima sexta-feira, 16 de dezembro, durante o seminário “Desenvolvimento, Espaço Fiscal e Financiamento Setorial”, promovido pelo projeto Brasil Saúde Amanhã em parceria com o Centro de Estudos Estratégicos (CEE). Com transmissão on-line através do site do CEE, o evento, que acontecerá das 10h às 13h, discutirá os impactos de médio e longo prazo da economia nacional na capacidade de financiamento das políticas públicas, especialmente do Sistema Único de Saúde (SUS).






“Prospectar o futuro é ter um programa de ação. É criar elementos para articulação e indução de políticas econômicas e sociais, no interesse do desenvolvimeto, com equidade, fomentando o acesso e a inclusão”, define o coordenador executivo da rede Brasil Saúde Amanhã, José Carvalho de Noronha, pesquisador do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict/Fiocruz). Resultados da iniciativa, que desde 2010 vem investigando os cenários futuros do sistema de saúde brasileiro, estão no livro “Brasil Saúde Amanhã: População, Economia e Gestão”, a ser lançado pela Editora Fiocruz na próxima quinta-feira, dia 15, às 18h, na ONG Viva Rio (Rua do Russel, 76). Outras obras serão lançadas na ocasião, confira a programação completa.






Saúde do Idoso: velhas e novas questões

segunda-feira, 07, novembro , 2016 por

Os avanços e os desafios que persistem à Política Nacional do Idoso (PNI) são analisados em livro recém-lançado pelo Ipea. A publicação trata de aspectos como renda, direitos, saúde e educação e, ao mesmo tempo, propõe novas questões a serem debatidas em prol do envelhecimento digno da população. Se, por um lado, houve ganhos do ponto de vista da proteção social, na área da Saúde a política ainda pode ser aprimorada. O livro, que contou com a contribuição de 32 pesquisadores, está organizado em quatro partes: histórico da PNI, implementação, novas questões e perspectivas.






Página 2 de 6
TOP