Agenda 2030 exige investimentos em Ciência, Tecnologia e Inovação

por / segunda-feira, 24 abril 2017 / Categoria Desenv. e Saúde, Notícias, Notícias, Todos

A América Latina e o Caribe têm apenas 520 pesquisadores por 1 milhão de habitantes, proporção bem inferior à verificada em países desenvolvidos — onde, em média, o número varia de 2 mil a 8 mil. Disparidades foram tema de palestra conferida dia 20 de abril pela secretária-executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe, Alicia Bárcena, durante evento de abertura do ano letivo da Universidade do Chile.

A dirigente do organismo regional elogiou o papel das instituições de ensino superior públicas na difusão do saber científico. “Universidades públicas são a demonstração palpável de que gratuidade e qualidade podem andar de mãos dadas, de que os serviços públicos não competem com a excelência”, afirmou.

Para Bárcena, regimes democráticos preveem a ampla difusão do saber científico. “A democracia pode e deve ser fundamento da convivência nas aventuras do conhecimento”, acrescentou a chefe da agência da ONU.

Durante o encontro com docentes, alunos e também com autoridades ministeriais e parlamentares do Chile, a secretária-executiva ressaltou que os investimentos em pesquisa e desenvolvimento são ínfimos na região sob mandato da CEPAL. Isso se reflete não apenas no número de pesquisadores por habitante, mas também na inovação científica. Apenas 2% das solicitações das patentes feitas em todo o mundo vêm dos Estados-membros da CEPAL.

Segundo a autoridade máxima do organismo regional, a Agenda 2030 da ONU exigirá a formulação de uma “nova agenda acadêmica”. Bárcena lembrou que governos também têm um papel a desempenhar na inovação para a produção sustentável. Para ela, é necessário reforçar os vínculos entre as universidades e o setor produtivo, além de criar redes regionais de pesquisa.

Bárcena defendeu ainda o apoio estatal a projetos de Pesquisa e Desenvolvimento de caráter industrial, o uso de mecanismos de mercado — como patenteamento, licenciamento e transferência tecnológica — em instituições públicas de investigação científica, a criação de polos tecnológicos e a construção de redes de conhecimentos.

 

Fonte: ONU

TOP