A crise econômica e trabalhista deflagrada pela pandemia do COVID-19 pode aumentar o desemprego global em quase 25 milhões pessoas, segundo uma nova avaliação da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

A crise econômica e trabalhista deflagrada pela pandemia do COVID-19 pode aumentar o desemprego global em quase 25 milhões pessoas, segundo uma nova avaliação da Organização Internacional do Trabalho (OIT).






PREVENÇÃO DA VIOLÊNCIA

quinta-feira, 20, fevereiro , 2020 por

Na última década, as taxas de assassinatos de jovens no Brasil cresceram 17%. Quase metade do total de homicídios do país em 2018 (56 mil) corresponde à morte de homens negros, com idade entre 15 e 29 anos. Os dados foram compilados no estudo “Prevenção da violência juvenil no Brasil: uma análise do que funciona”, produzido pelo Instituto Igarapé com apoio do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA).






PREVENÇÃO DA VIOLÊNCIA

quinta-feira, 20, fevereiro , 2020 por

Na última década, as taxas de assassinatos de jovens no Brasil cresceram 17%. Quase metade do total de homicídios do país em 2018 (56 mil) corresponde à morte de homens negros, com idade entre 15 e 29 anos. Os dados foram compilados no estudo “Prevenção da violência juvenil no Brasil: uma análise do que funciona”, produzido pelo Instituto Igarapé com apoio do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA).






Crise econômica e austeridade

quinta-feira, 13, fevereiro , 2020 por

Um estudo inédito conduzido por pesquisadores do Centro de Integração de Dados e Conhecimentos para saúde (Cidacs/Fiocruz Bahia) detectou um aumento nas taxas de suicídio e homicídio após o Brasil ter sido afetado pela crise econômica e adotado medidas de austeridade, em 2014.






Aos 77 anos, faleceu em 19 de dezembro a antropóloga Alba Zaluar, fundadora do Núcelo de Pesquisa em Violências da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (NUPEVI/UERJ). Aposentada desde 2012, atuava ainda como pesquisadora visitante do Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP/UERJ), coordenando pesquisas sobre violências em diversos contextos. Como legado, a pesquisadora deixa dezenas de artigos, livros e capítulos sobre segurança pública, violência urbana, violência doméstica, tráfico de drogas, dentre outros temas, além de estudantes formados em centros de pesquisas como o Instituto de Medicina Social (IMS/UERJ) e a Universidade de Campinas (Unicamp).






A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e o Consórcio Acadêmico Brasileiro de Saúde Integrativa (CABSIn) firmaram na sexta-feira (22), em São Paulo (SP), um acordo para promoção de iniciativas em diversas áreas da saúde pública.






O Centro de Estudos Estratégicos da Fiocruz traz para o Brasil o economista americano Randall Wray, pesquisador do conceituado Levy Economics Institute do Bard College e um dos principais autores da Teoria Moderna da Moeda (MMT, na sigla em inglês). Wray participará de seminário Políticas sociais e pleno emprego: A Teoria Moderna da Moeda como alternativa, no dia 26 de novembro, apresentando os conceitos-chaves da teoria que ajudou a construir e suas implicações na construção de uma abordagem alternativa para o financiamento de políticas sociais. A apresentação de Randall Wray será realizada no Centro de Convenções Sul América, no Rio de Janeiro, às 9h. Ao seu lado, na mesa, estarão os economistas e professores Pedro Rossi, da Universidade de Campinas (Unicamp) e José Márcio Camargo, da PUC-Rio, com mediação do pesquisador Carlos Gadelha, coordenador das Ações de Prospecção da Fiocruz. O evento terá transmissão online.






A (in)seguridade social do futuro

quarta-feira, 06, novembro , 2019 por

Artigo publicado na revista Conjuntura Econômica avalia riscos do cenário de inseguridade social que se impõe ao Brasil.

Leia na íntegra.






Brasil busca redução de mortes materno-infantis

quinta-feira, 19, setembro , 2019 por

O Brasil reviu as metas de redução da mortalidade materna e mortalidade neonatal e na infância estabelecidas no Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) 3, relativo à saúde e bem-estar, para adequá-las à realidade nacional. A meta referente à mortalidade materna, por exemplo, foi ajustada para até 30 mortes por 100 mil nascidos vivos, enquanto a meta global para 2030 é de menos de 70 óbitos. Em 2010, essa meta já tinha sido superada, mas o indicador permanece em níveis elevados, tendo registrado 64,4 óbitos por 100 mil nascidos vivos em 2016.






Página 1 de 12
TOP