“Pensar e construir o futuro: Saúde Amanhã”

segunda-feira, 19, setembro , 2016 por

O exercício da prospecção do futuro e a experiência do projeto Brasil Saúde Amanhã são tema do artigo “Pensar e construir o futuro: Saúde Amanhã”, dos pesquisadores Paulo Gadelha, presidente da Fiocruz, e José Carvalho de Noronha, coordenador-executivo da iniciativa. Publicado na seção Opinião do Boletim de Análise Político-Institucional nº 9 do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o artigo reforça o protagonismo da Fiocruz como instituição estratégica de Estado e a importância da realização de estudos se futuro.

A Fiocruz na Agenda 2030

segunda-feira, 12, setembro , 2016 por

A Fiocruz, enquanto instituição estratégica de Estado, por sua história e pelas particularidades de sua atuação, tem importância fundamental para o cumprimento da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, assim como para assegurar que sua implantação seja participativa, comprometida ao máximo com as causas sociais e orientada por uma visão de desenvolvimento solidária e plural. Foram estas algumas das conclusões do seminário A Fiocruz na Agenda 2030, realizado dia 1° de setembro na Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (Ensp/Fiocruz).






A divulgação do Sistema de Contas Nacionais Trimestrais (SCNT), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 31 de agosto, confirmou a projeção do Indicador Ipea de Formação Bruta de Capital Fixo para o segundo trimestre do ano. Segundo o IBGE, os investimentos cresceram 0,4% no período, em relação ao primeiro trimestre, na comparação livre de efeitos sazonais. O Grupo de Conjuntura (Gecon) do Ipea havia anunciado em 26 de agosto, a elevação de 0,38% no indicador. “Os dados mais recentes indicam uma possível mudança de tendência dos investimentos, com destaque para as máquinas e equipamentos, cuja recuperação tem se mostrado mais significativa”, explica o coordenador do Gecon, José Ronaldo de Souza Jr.






Em artigo, a pesquisadora do Centro de Estudos Estratégicos da Fiocruz, Erica Kastrup, debate o tema, afirmando que “adotar os ODS significará incorporar questões sociais e ambientais como centrais ao desenvolvimento, construindo, no campo das políticas públicas, um olhar criativo, intersetorial, para que se desvendem sinergias entre diferentes setores e trade-offs envolvidos nas opções políticas”. Leia a íntegra do artigo.






Projeto Brasil 2035 apresenta resultados

segunda-feira, 22, agosto , 2016 por

Com o objetivo de apresentar resultados de uma consulta sobre as incertezas e críticas para o desenvolvimento brasileiro, o Ipea realizou na segunda semana de agosto, em Brasília, o seminário Projeto Brasil 2035 – Questões para o Desenvolvimento. “Nós fizemos 12 workshops sobre diversos temas e conseguimos identificar quais são as grandes questões ainda sem resposta, mas que impactam e poderiam contribuir muito para o desenvolvimento do país”, disse a coordenadora do projeto, Elaine Marcial, lembrando que na primeira fase a discussão foi sobre as tendências.






Países da América Latina estão realizando uma série de pesquisas em nível comunitário para identificar lacunas no conhecimento sobre o vírus zika e, deste modo, definir as mensagens para alterar o comportamento da população na prevenção da infecção e controle do mosquito transmissor. As pesquisas serão realizadas no Brasil, Peru, Colômbia, Guatemala, Honduras e El Salvador até setembro deste ano, sob a liderança da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) e em coordenação com os Ministérios da Saúde e outras agências internacionais parceiras.






Gerenciamento de recursos hídricos no Brasil

segunda-feira, 08, agosto , 2016 por

Novo Diagnóstico Sistemático de País (SCD, na abreviatura em inglês), mostra como os recursos naturais podem contribuir para o desenvolvimento econômico do país. O estudo desenvolvido pelo Banco Mundial, inclui alguns pontos importantes sobre a forma como o Brasil vem gerenciando seus recursos hídricos e, embora não aponte soluções, discute os principais obstáculos que devem ser enfrentados a fim de estabelecer um modelo sustentável e inclusivo.






Assinados pelos economistas Carlos Octávio Ocké-Reis, do IPEA e Francisco R. Funcia, da PUC SP, o artigo “Terror Fiscal e Desmonte do SUS: uma ameaça à democratização da saúde” aborda temas como o subfinanciamento do Sistema Único de Saúde e os impactos do atual quadro recessivo da economia brasielira e da aprovação da PEC 241 neste contexto. O texto foi publicado pelo portal Plataforma Política Social.






O mito do déficit da Previdência

segunda-feira, 08, agosto , 2016 por

Em artigo publicado no portal do Centro de Estudos Estratégicos da Fiocruz, o professor da Unicamp e coordenador da rede Plataforma Política Social, Eduardo Fagnani, discute questões relacionadas ao défcit da previdência. Segundo o economista, “o que se insiste em chamar de déficit da Previdência nada mais é do que a parte que cabe ao Estado, que não se contabiliza”. Confira a íntegra do texto.






O Brasil vem experimentando importantes transformações em seus componentes demográficos, como a queda nas taxas de natalidade e o envelhecimento da população, fatores que desafiam as políticas públicas em Saúde. Essas mudanças, entretanto, não ocorrem de forma homogênea em todo o país. A complexidade faz com que a rede Brasil Saúde Amanhã se debruce, com frequência, sobre a questão territorial em seus estudos prospectivos de futuro. O enfoque ganhou destaque no segundo painel do seminário “Iniciativas em Prospecção Estratégica Governamental no Brasil”, que contou com a participação de pesquisadores da Fiocruz, do IBGE e do Ipea.






Página 3 de 6
TOP