Cipriano Maia, presidente do congresso, abriu a sessão de encerramento com os números finais. Foram 1988 inscritos e 201 convidados, totalizando 2.200 pessoas, incluindo profissionais de imprensa e de apoio, configurando o maior edição já realizada pela Comissão de Política, Planejamento e Gestão (CPPG/Abrasco).

OMS convoca países a enfrentar a malária

terça-feira, 02, maio , 2017 por

Em um evento em Nairóbi, à véspera do Dia Mundial da Malária, a Organização Mundial da Saúde (OMS) convocou os países a acelerar a ampliação de esforços para prevenir a doença e salvar vidas. Na África Subsaariana, que responde por 90% da carga global de malária, mais de 663 milhões de casos foram evitados desde 2001.






A América Latina e o Caribe têm apenas 520 pesquisadores por 1 milhão de habitantes, proporção bem inferior à verificada em países desenvolvidos — onde, em média, o número varia de 2 mil a 8 mil. Disparidades foram tema de palestra conferida dia 20 de abril pela secretária-executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe, Alicia Bárcena, durante evento de abertura do ano letivo da Universidade do Chile.






Ciência brasileira, últimos suspiros?

segunda-feira, 17, abril , 2017 por

Há 30 anos, uma semente de soja plantada no solo do Mato Grosso, se germinasse, não floresceria. Neste ano, o Estado produzirá 30 milhões de toneladas da oleaginosa. Na década de 1940, a produtividade média do plantio de soja no Brasil era de 700 kg por hectare; hoje, é de 3.000 kg/h, e há produtores que já conseguem extrair 8.000 kg/h. Milagre? Não, ciência e tecnologia. Pesquisadores da Embrapa e de nossas universidades conseguiram fazer a soja, originária de regiões de clima temperado, produzir em abundância em regiões de baixas latitudes e clima quente. O Brasil é vice­-líder na produção, com 108 milhões de toneladas.






Fiocruz e UFRJ ampliam cooperação técnica

segunda-feira, 10, abril , 2017 por

A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) anunciaram nesta quarta-feira (5/4/2017) um vasto plano para institucionalizar e incrementar a sua cooperação técnica, aprimorando ações que fazem parte da história de colaboração entre as duas instituições. Com objetivo de criar ações em conjunto e aprimorar as diversas já existentes, grupos de trabalho atuarão em eixos temáticos dedicados a pensar e intervir em questões que vão do patrimônio histórico do Rio de Janeiro ao desenvolvimento de novas vacinas e pesquisas de ponta na área da saúde. A cooperação prevê a articulação entre a rede hospitalar da Fiocruz e o complexo de nove hospitais da UFRJ, bem como a integração em todos os níveis de ensino, incluindo graduação e pós-graduação, e o desenvolvimento de projetos de educação básica ampliados para a região da Maré e Manguinhos.






Desafios urgentes para a Ciência brasileira

segunda-feira, 03, abril , 2017 por

Das falhas estruturais no campo da educação às dificuldades de financiamento trazidas pelo atual momento político e econômico, os desafios urgentes para a ciência brasileira foram debatidos no III Simpósio de Pesquisa e Inovação do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), realizado de 27 a 29 de março na sede da Fundação, em Manguinhos. Na cerimônia de abertura, o diretor do IOC, Wilson Savino, destacou a necessidade de reflexão sobre as questões que impactam nas atividades de pesquisa, para além dos desafios encontrados cotidianamente pelos pesquisadores nos trabalhos de campo e nas bancadas dos laboratórios. “Discutir questões que se colocam no nosso Instituto, como a interface da pesquisa com os serviços de referência e as coleções biológicas, e temas que afetam a atividade científica de forma geral, como os desafios para o financiamento e a importância da cooperação, é fundamental”, afirmou Savino. O vice-presidente de Produção e Inovação em Saúde da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Marco Krieger, ressaltou a importância do debate para transformar os avanços científicos em inovação. “Os laboratório da Fiocruz sempre tiveram o compromisso com a produção do conhecimento científico em benefício da saúde pública. Precisamos dialogar para estabelecer uma política de inovação e superar as barreiras que ainda impedem que algumas descobertas sejam transformadas em produtos”, disse Krieger.






“A seguridade social é superavitária”

segunda-feira, 20, março , 2017 por

O chamado “rombo da Previdência”, justificativa do governo federal para lançar a Proposta de Emenda Constitucional 287 (PEC) não passa de “fetiche” na opinião da socióloga Maria Lúcia Teixeira Werneck Vianna, que participou do seminário sobre a Reforma da Previdência Social realizado pelo Sindicato dos Bancários, em Campinas, há um mês. Para a professora associada da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), a seguridade social no Brasil “foi progressivamente desmontada desde 1990. É nesse desmonte que se encontra o fetiche do ‘rombo da previdência’”. Segundo a professora Maria Lúcia, a seguridade social é superavitária. Em 2015, apresentou saldo positivo de R$ 24 bilhões. Mas o governo federal fala em deficit. Inclusive anunciou recentemente que em 2016 o deficit atingiu R$ 149,7 bilhões. Entre outras omissões, esclarece Maria Lúcia, o governo federal “só computa os valores de contribuições de empregados e empregadores”.






A América Latina e o Caribe é a única região do mundo onde, há quatro décadas e de maneira ininterrupta, os países se reúnem para debater e se comprometerem politicamente a erradicar a discriminação e a desigualdade de gênero, e também avançar para a garantia do pleno exercício da autonomia e dos direitos humanos das mulheres.






A crise econômica poderá levar até 3,6 milhões de brasileiros para abaixo da linha de pobreza até o fim do ano. A estimativa é do Banco Mundial, que divulgou estudo referente ao impacto da recessão sobre o nível de renda do brasileiro. A projeção considera que a economia encolherá 1% no segundo semestre de 2016 e no primeiro semestre deste ano (ano-fiscal 2016/2017). Num cenário mais otimista, que prevê crescimento de 0,5% da economia nesse período, o total de pobres subiria em 2,5 milhões, segundo o Banco Mundial.






Diretrizes para o Desenvolvimento Sustentável

segunda-feira, 06, fevereiro , 2017 por

A ONU e 19 instituições financeiras e investidores do mundo todo, totalizando 6,6 trilhões de dólares em ativos, lançaram na terça-feira (31/01) um conjunto de diretrizes globais que visa a canalizar investimentos para o desenvolvimento sustentável. Os Princípios para o Financiamento de Impacto Positivo fornece a instituições financeiras e investidores um conjunto de diretrizes globais que poderão ser adotadas por diferentes setores, incluindo crédito para varejo e atacado, empréstimos corporativos e administração de recursos.






Página 3 de 13
TOP