Panorama Social da América Latina 2016

terça-feira, 20, junho , 2017 por

Publicado pela Cepal, o documento informativo aponta as desigualdades sociais como principal obstáculo ao desenvolvimento sustentável na América Latina. A publicação aborda questões de gênero, idade, etnia e a evolução do gasto social para o financiamento de políticas públicas.

Leia na íntegra.

Brasil 2035: cenários para o desenvolvimento

segunda-feira, 12, junho , 2017 por

Como se preparar para os rumos futuros do Brasil? Com o objetivo de apresentar cenários e perspectivas que possibilitem subsidiar os tomadores de decisão na formulação de estratégias de desenvolvimento para o país,
o Ipea e a Associação Nacional dos Servidores da Carreira de Planejamento e Orçamento (Assecor) lançaram
o livro Brasil 2035: cenários para o desenvolvimento. O capítulo 21, dedicado ao setor Saúde, traz resultados do projeto Brasil Saúde Amanhã.

Leia na íntegra






A edição de abril de 2017 da Revista Ciência e Saúde Coletiva traz o editorial “Desigualdades regionais, federalismo cooperativo e desafios do SUS”, de José Mendes Ribeiro e Marcelo Rasga Moreira, e diversos artigos sobre o tema, incluindo resultados da pesquisa Região e Redes.

Leia na íntegra






O presidente da Abrasco, professor Gastão Wagner de Sousa Campos, reflete sobre os avanços e os problemas do SUS, bem como os significados da crise atual e os desafios da formação e pesquisa em Saúde Coletiva e na área de Políticas, Planejamento e Gestão em Saúde. Gastão vai além e propõe o SUS Brasil – “Uma utopia possível?” pergunta.

Leia na íntegra






Terceirização e Saúde

segunda-feira, 27, março , 2017 por

Autores: Carles Muntaner, Graça Druck, Maria Inês Carsalade Martins, Eduardo C. Siqueira
Ano: 2016

O periódico Cadernos de Saúde Pública, volume 32, nº 6, publica o Espaço Temático: Terceirização e Saúde, com artigos e comentários sobre emprego precário, desigualdades em saúde, riscos de morte aos trabalhadores.

Leia na íntegra






Autores: Inesita Soares de Araújo, Janine Miranda Cardoso, Rodrigo Murtinho
Ano: 2009

O trabalho apresenta a pesquisa “Políticas e práticas de comunicação no SUS: mapeamento, diagnóstico e metodologia de avaliação”.

Leia na íntegra






Autora: Ver a Schattan P. Coelho
Ano: 2017

Nota técnica da iniciativa Região e Redes questiona se, e como, a contratação indireta de serviços, isto é, o envolvimento do setor privado e filantrópico na prestação de serviços públicos, pode contribuir para o avanço da regionalização no SUS.

Leia na íntegra






Org: VIANA, A.L.A; FERREIRA, M.P.; CUTRIM, M.A.B; FUSARO, E.R.; SOUZA, M.R.; MOURÃO, L.; CHANCHARULO, A.P.; MOTA, P.H.S. P

Ano: 2017

Esta nota técnica tem como objetivo discutir os primeiros resultados da pesquisa Região e Redes. Inicialmente faz-se uma breve descrição e problematização das políticas regionais nos anos recentes, em seguida discutem-se as especificidades no setor saúde e, por fim, elaboram-se algumas reflexões.

Leia na íntegra






Org: OXFAM Brasil

Ano: 2017

O guia é baseado em uma metodologia que “aponta as diferenças entre as melhores e piores regiões analisadas, de modo que seja possível mapear as mais carentes de serviços e infraestrutura”, reforça no texto de abertura do guia o coordenador geral da Rede Nossa São Paulo e do Programa Cidades Sustentáveis, Oded Grajew. “Trata-se de uma ferramenta própria, aplicada há cinco anos na cidade de São Paulo, que utiliza um conjunto de indicadores relacionados aos diferentes aspectos que influenciam a qualidade de vida das pessoas.”

Leia na íntegra






Autoras: Leila Posenato Garcia e Gabriela Drummond Marques da Silva
Ano: 2016
O estudo “Doenças Transmissíveis e Situação Socioeconômica no Brasil: Análise Espacial” descreve a distribuição espacial das principais doenças relacionadas à pobreza no país: tuberculose, hanseníase, leishmaniose tegumentar, leishmaniose visceral e malária. De contribuição altamente relevante, mostra mapeamento de municípios que, simultaneamente, concentravam elevada ocorrência de novos casos de doenças relacionadas à pobreza e apresentavam piores indicadores socioeconômicos. Esse trabalho torna-se ferramenta importante para o direcionamento de ações focalizadas e custo-efetivas voltadas à prevenção e ao controle das doenças relacionadas à pobreza no Brasil.

Leia na íntegra






Página 1 de 4
TOP