Cidades Mais Saudáveis

por / segunda-feira, 10 abril 2017 / Categoria Cond. da Saúde, Notícias, Notícias, Todos

A Fundação Wellcome Trust, do Reino Unido, selecionou o projeto “Construindo cidades mais saudáveis, equânimes e ambientalmente sustentáveis: lições da América Latina” (“What makes cities healthy, equitable and environmentally sustainable? Lessons from Latin America”), coordenado pela pesquisadora da Drexel University, da Filadélfia (EUA), Ana V. Diez Roux, com uma verba de dez milhões de dólares para pesquisar saúde urbana. Integram o consórcio diversos grupos de pesquisa nos EUA, Argentina, Chile, Colômbia, Guatemala, Malásia, México e Peru. O Brasil estará representado pela Fiocruz, através do Icict (Fátima Pina, que também atua na Uerj), Ensp (Letícia Cardoso) e Fiocruz Bahia (Maurício Barreto), além da Universidade de São Paulo (USP) (Nelson Gouveia) e a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) (Waleska Caiaffa e Amelia Augusta de Lima Friche).

A escolha da América Latina não foi aleatória. O fato de ser uma das regiões mais urbanizadas no mundo, com 80% da população vivendo nas cidades, tornou-a ideal para se estudar o impacto da urbanização na saúde. Estima-se que em 2050 a América Latina será mesmo a região mais urbanizada do planeta. Por outro lado, a América Latina é também uma das regiões com maiores desigualdades sociais – no ranking das 30 cidades mais desiguais em indicadores sociais e de saúde, 19 estão na América Latina.

O Projeto, que envolve 11 instituições da América Latina e três dos Estados Unidos, terá duração de cinco anos e estudará centenas de cidades na região e estabelecendo parcerias com gestores da saúde e do planejamento urbano. A primeira fase do estudo consiste na coleta de dados em todos os países participantes, a seguir, serão identificados os pontos em comum e padronizadasas informações. “Vamos estudar o padrão espaço-temporal da mortalidade e morbilidade; o impacto de intervenções na área da saúde nas cidades e a influência do ambiente urbano na saúde e doença das populações que habitam as cidades”, diz a pesquisadora do Laboratório de Informação em Saúde (Lis), integrante do Núcleo de Geoprocessamento em Saúde (Lis/Icict) e que é a coordenadora do Projeto no Rio de Janeiro, Fátima Pina. Inicialmente, ela está recolhendo dados censitários, de mortalidade e internamentos hospitales, que serão analisados no Núcleo.

O campus Rio de Janeiro da Fiocruz e o da Bahia avaliarão os dados das capitais (Rio de Janeiro e Salvador, respectivamente). O Icict e a Ensp, trabalharão em conjunto – a Escola Nacional de Saúde Pública irá focar especialmente nas questões do ambiente alimentar e o Instituto realizará a compilação de dados históricos, padronização de dados de acordo com os critérios que forem definidos para todos os países, análise dos dados de mortalidade e morbilidade e comparação com os dados dos demais países, além de desenvolver indicadores de privação sócioeconômica comparável entre todos os país.

Para Fátima Pina, o projeto que analisará a saúde nas cidades latinoamericanas “permitirá ao Icict e à Fiocruz inserir-se em uma grande rede latinoamericana, trocando experiências e conhecimento sobre problemas e soluções enfrentados por outros países na promoção e prevenção das doenças.” A pesquisadora do Icict acredita que o projeto “seja um impulso para a criação de um observatório de saúde urbana na Fiocruz”.

A próxima reunião do Projeto será de 17 a 19 de maio, em Bogotá, Colômbia.

 

Fonte: Icict

TOP